Poder judiciário: Juiz mantém censura ao livro Lampião Mata Sete

Postado por Adalberto Moreno em 13 de abril de 2012

No livro o autor Pedro de Morais diz que o cangaceiro era gay

O juiz da 7ª Vara Cível de Aracaju, Aldo Albuquerque, manteve a decisão de não permitir que o polêmico livro Lampião Mata Sete, que sustenta que o Rei do Cangaço, Virgulino Ferreira da Silva, era gay, seja lançado. No dia 25 de novembro do ano passado, Aldo expediu uma liminar suspendendo o lançamento, que iria ocorrer em uma livraria de Aracaju, em virtude de uma ação movida por Expedita Ferreira, filha do cangaceiro.

O autor do livro, o juiz aposentado Pedro de Morais, disse que vai recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE) e tem 15 dias para realizar o procedimento legal. Caso não tenha sucesso e o livro continue sendo censurado pela Justiça, ele disse que vai jogar os 1 mil exemplares que lhe restam no Rio Sergipe.

Aldo Albuquerque, que não leu o livro, disse que se baseou na Constituição Federal para continuar impedindo o lançamento do livro. A Constituição protege a inviolabilidade da individualidade das pessoas, explicou ele, ao frisar que escreveu 25 laudas onde defende o não lançamento do livro. Para Aldo, se o livro versasse apenas sobre os crimes cometidos por Lampião, esse seria um fato público, mas quando trata da sexualidade, o tema não tem o mesmo interesse.

O Aldo é um preconceituoso, disparou o autor do livro Pedro de Morais. Sobre essa crítica e as que poderão surgir em virtude da decisão, Aldo Albuquerque explicou que doutor Pedro é um homem muito inteligente, um grande juiz. E com relação às demais críticas que poderão advir, Aldo explicou que um magistrado tem que agir sem se preocupar com isso, preservando a Constituição Federal.

No dia 6 de novembro do ano passado, Pedro de Morais participou da Segunda Bienal do Livro, em Salvador, e vendeu o 1 mil exemplares, restando outros 1 mil para o lançamento em Aracaju, que não aconteceu. A liminar proibindo o lançamento saiu no dia 25 de novembro, lembra Pedro.

Dias depois no município de Campo Formoso, a 400 quilômetros de Salvador, o livro voltou a fazer sucesso em uma exposição literária. Desta vez, os exemplares foram levados pelo especialista em Lampião Oleone Coelho Fontes, que, inclusive, faz a introdução do livro.

Oleone continua indignado e disse, na época, que seria uma felicidade para o Nordeste se Lampião fosse homossexual.

Fonte: FAXAJU

3 Comentário

  1. Se o autor Pedro de Morais jogar os livros no rio Sergipe como diz que vai fazer caso o seu recurso ao Tribunal de Justiça de Sergipe não prospere, certamente vai poluir ainda mais o rio com grande quantidade de excremento, um excremento que nem os peixes hão de gostar, pois o livro dele além de ser de péssimo gosto, traz no seu bojo somente invencionices sem provas algumas, como se a história fosse feita a seu bel prazer, como se ele fosse o dono da verdade. O livro como um todo é UMA VERDADEIRA ABERRAÇÃO, por isso em nome da história escrevi um livro contestação que em breve será lançado: LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE

  2. Archimedes Marques disse:

    O meu livro contestação ao livro de Pedro de Morais já se encontra na gráfica e em breve será lançado. Trata-se do primeiro livro que faz oposição dentro do assunto cangaço. Procuro contestar tudo que está errado no livro “Lampião, o Mata Sete”, pois essa obra é eivada de vícios do início ao fim. Todas as alegações do autor são levianas e sem provas por menor que sejam e até mesmo indícios de veracidades alguns, como se a história fosse feita de insinuações vindas do nada, vindas de criatividade do autor, que por sinal, sendo um ex-juiz, deve saber muito bem que o DITO E NÃO PROVADO É O NADA JURÍDICO. Por todas as leviandades desse livro é que ainda se encontra o mesmo proibido pela justiça sergipana, principalmente porque o direito de expressão dele se esbarra no direito da família de Lampião e Maria Bonita.

    Sou delegado de polícia no Estado de Sergipe e também sou estudioso no assunto cangaço, fazendo parte do maior movimento que há no Brasil, o CARIRI CANGAÇO, evento que reune anualmente as maiores autoridades nacionais e internacionais sobre o tema e que é realizado na cidade do Crato e região do Cariri cearense adjacente, por tudo isso, e principalmente em nome da VERDADEIRA HISTÓRIA QUE FOI VILIPENDIADA com o livro “Lampião, o Mata Sete” foi que escreví LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE. De uma coisa tenho absoluta certeza: QUEM LER O MEU LIVRO JAMAIS LERÁ O LIVRO DELE, que além de todas as aleivosias existentes ainda tem muita coisa errada, tais como troca de datas, de nomes de pessoas, de fatos, de passagens, enfim o livro do senhor Pedro de Morais é de PÉSSIMO GOSTO EM TODOS OS SENTIDOS, jamais é um livro histórico. Trata-se sim, de um livro FICTÍCIO além de muito mal informativo, pois como dito, foi muito mal pesquisado.

    Archimedes Marques

  3. andrea disse:

    como faço para falar ou mandar um email para juiz da bahia..


Publicidade