A ideia surgiu a partir de um trabalho desenvolvido na disciplina Eixo de Comunidades, ministrada pelo professor Laio Magno.

UnivasfUm aplicativo de informações sobre as Unidades Básicas de Saúde criado por estudantes do curso de Medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Campus Paulo Afonso (BA), é um dos finalistas do Concurso Prêmio InovaSUS 2015.

O aplicativo, intitulado TerritorializaSUS, tem o objetivo de contribuir para o avanço da Atenção Básica à Saúde, com a inserção de tecnologias dinâmicas e simples. O concurso é uma iniciativa do Ministério da Saúde (MS) que pretende incentivar e premiar projetos e experiências inovadoras no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). O resultado final está previsto para ser divulgado no dia 4 de abril.

O projeto, que já é um dos cinco finalistas da região Nordeste na Modalidade II – Integração Ensino-Serviço-Comunidade, foi idealizado pela aluna Olivia Maria Teixeira e desenvolvido por ela e mais seis estudantes do curso: Beatriz Lima, Cleise Silva, Ingrid Dantas, Luís Felipe Lima, João Tito Vasconcelos e Iara Lima, com orientação do professor Ricardo Lacerda. O objetivo do TerritorializaSUS é informar à população datas importantes como calendário de vacinação, campanhas de saúde, atividades de promoção à saúde, além de dados epidemiológicos da comunidade, locais estratégicos, entre outros serviços.

A ideia surgiu a partir de um trabalho desenvolvido na disciplina Eixo de Comunidades, ministrada pelo professor Laio Magno. “O professor nos pediu um mapa da comunidade onde atuamos, então me veio a ideia ‘por que não levar esse mapa para o mundo digital?’. Com isso, meu grupo passou a pesquisar tudo sobre aplicativos para dispositivos móveis e a viabilidade do projeto”, conta Olivia.

De acordo com a estudante, na próxima etapa, os finalistas conhecerão a colocação de cada projeto no Prêmio InovaSUS 2015. “Só por termos ficado entre os cinco finalistas, já garantimos um prêmio por parte da OPAS no valor de R$ 80 mil, para investirmos no projeto”, afirma.

A notícia da classificação foi recebida de forma inesperada e com muito entusiasmo. “No primeiro momento, chorei muito, de felicidade. É muito bom ver uma ideia sua gerando frutos tão relevantes. Fiquei em êxtase também por saber que esse prêmio eleva o nome da minha instituição, do meu campus. Esse prêmio é a prova de que estamos dando certo e ele é só o primeiro de muitos”, ressalta Olivia.

Mais informações sobre o projeto estão disponíveis no site da Comunidade de Práticas, onde são feitas avaliações dos projetos. O resultado final do Prêmio InovaSUS 2015 será divulgado no Portal da Saúde.

Fonte: Ponto Crítico


Publicidade