DESMATAMENTO ILEGAL DA CAATINGA: PEDRO ALEXANDRE, CORONEL JOÃO SÁ E CARIRA

Postado por Adalberto Moreno em 25 de janeiro de 2017

Os criminosos colhem a madeira ilegalmente

LenhaOrganização  criminosa destrói o bioma caatinga nos municípios de Pedro Alexandre e Coronel João Sá, na Bahia. Em Carira, Estado de Sergipe, destruíram as matas e puseram milho em seu lugar. A organização criminosa derruba ilegalmente as matas, transportam e vendem madeira nobre como aroeira, angico, jurema, baraúna, caraibeiro, imburana e outras essências florestais. Ao destruir as matas a organização criminosa destrói o habitat, os animais da nossa fauna, acelera o processo de desertificação e impacta no regime de chuva de nossa região. Os criminosos se organizaram e se valem da mão-de-obra barata de trabalhadores braçais beneficiários do programa federal bolsa família, agora equipados com motos serras, caminhões e toda uma logística para transporte clandestino da madeira. Do município de Coronel João Sá, na Bahia, saem diariamente, do recém-assentamento rural situado na fazenda Rompe Gibão, em torno de 1.000m² de madeira para fornos de cerâmicas em Itabaiana, Estado de Sergipe. Os criminosos colhem a madeira ilegalmente e sem nenhum destemor transportam parte durante o dia e a maior parte durante a noite. Conscientes do crime que cometem muitos se escondem com a carga de madeira durante o dia em povoado Cipó de Leite, município de Pedro Alexandre, Bahia, e outros, no Povoado Altos Verdes, município de Carira, Sergipe, e somente após as 10 horas da noite viajam para se livrarem do objeto criminoso. O estranho é que os criminosos percorrem mais de 120 km, atravessam quatro cidades, três no estado de Sergipe e nunca são flagrados pela Policia Rodoviária Federal, IBAMA, INEMA, ADEMA, Polícia Civil, Polícia de Caatinga, ou seja, autoridade nenhuma. É como se a atividade não fosse criminosa e a ação penal não fosse pública incondicionada, quando, por lei é dever de qualquer autoridade agir para penalizar os criminosos sob pena de prevaricação. É importante reportar que apenas os criminosos e possíveis cúmplices estatais se beneficiam com o desmatamento ilegal, enquanto que a população em geral sofre danos irreversíveis, como os provocados pela seca, desertificação e extinção das aves e animais em geral. Ou há uma rede de cumplicidade, seja por omissão ou comissão de diversas autoridades ou não há capacidade operacional das entidades responsáveis pela coibição deste tipo de crime, já que há notícias de denúncia formal destes crimes desde 2011, sendo que, de lá para cá o crime se intensifico. É preciso que os cidadãos que assistem a tudo isso se sintam indignados, entendam que são os únicos prejudicados e passem a denunciar os criminosos. e sem que alguém a socorra, seja na condição de cidadão afetado pela ação dos criminosos, seja pelas autoridades que têm o dever de defendê-la. São cortadas, transportadas e vendidas a ceramistas no Estado de Sergipe, ilegalmente, cerca de 360m Ka’a (Mata) + tinga (branca) = mata branca é o único bioma exclusivamente brasileiro, o que significa que grande parte do seu patrimônio biológico não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do planeta. A caatinga ocupa cerca de 10% do território brasileiro e sua preservação é imprescindível para a sobrevivência dos indivíduos que a habita.

Fonte: Mural do Sertão


Publicidade