Os presos Jelson da Silva, Cosme de Jesus Silva e Carlos Daniel dos Santos Lima, eram foragidos da Justiça e foram localizados no Pará

CigaO forte esquema de segurança montado pela Polícia Civil da Bahia foi devido a transferência de três presos (pai e dois filhos) vindos da cidade de Castanhal no estado do Pará onde estavam presos, para o Conjunto Penal de Paulo Afonso-BA.

Os presos são ciganos acusados do homicídio do Policial Militar José Bonfim Lima, ocorrido em novembro do ano passado na cidade de Jeremoabo-BA. São eles: Jelson da Silva, Cosme de Jesus Silva e Carlos Daniel dos Santos Lima.

Além do policial, dois ciganos, um deles identificado como Lwillys Messias da Silva, 24 anos, e outro, de prenome Vinícius, também morreram após supostamente participarem da morte do soldado PM Bonfim. Na época, cinco ciganos foram presos e, com eles, seis armas apreendidas, incluindo a do policial.

O CRIME

Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-BA), um desentendimento entre o militar e ciganos se iniciou em um bar onde houve luta corporal e a arma do PM foi tomada. O policial foi até a sua residência, pegou outro armamento e voltou ao bar.

Nesse momento, ocorreu uma troca de tiros que terminou com o soldado e um cigano mortos. Equipes da PM foram acionadas e ainda no bar entraram em confronto com os outros ciganos envolvidos na discussão. Um dos autores da morte do soldado foi atingido e não resistiu aos ferimentos.

A Secretaria da Segurança Pública determinou reforço policial na região e se colocou à disposição da família do soldado, pertencente ao 20º Batalhão de Polícia Militar.

Lwillys chegou a ser socorrido pelos companheiros ao Hospital Municipal de Jeremoabo, de onde foi transferido para o Hospital Nair Alves de Souza. Porém, não resistiu. Já Vinícius morreu após dar entrada no hospital da cidade.

Fonte: PA4.com.br


Publicidade