Quem disse que zero a zero não pode ser recheado de emoção?


Quem disse que zero a zero não pode ser recheado de emoção?

Esta foi mais uma decisão marcada com imã na bola para que fosse conduzida colada ao gramado, lances emocionantes e zero a zero

Agora, as emoções ficam renovadas para quarta-feira que vem, no Estádio do Maracanã, quando será conhecido o campeão.

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC – –, 13/10/2022

Corinthians marcou bem. Foto: Gilvan De Souza.

Campinas, SP, 12 (AFI) – Blog do Ari – Acostumados que estamos à Série B do Campeonato Brasileiro, eis a constatação quando nos dispusemos ao acompanhamento de jogos de times refinados do País, como Corinthians e Flamengo, que fizeram, na noite desta quarta-feira, a primeira partida da final da Copa do Brasil no Itaquerão, em São Paulo, com recorde de público: 47.031 pagantes.

Geralmente empate sem gols é marcado por monotonia, picotado, cartões amarelos em excesso, e por aí vai.

Todavia, esta foi mais uma decisão marcada com imã na bola para que fosse conduzida colada ao gramado, lances emocionantes, equipes se alternando no ataque, e o goleiro corintiano Cássio praticando defesas notáveis neste empate por zero a zero.

Agora, as emoções ficam renovadas para quarta-feira que vem, no Estádio do Maracanã, quando será conhecido o campeão.

CARTÕES FORÇADOS

Tem sido recorrente atletas substituídos e acomodados no banco de reservas provocarem atos de indisciplina e, em consequência, receberem o terceiro cartão amarelo.

Cabe recapitular exemplos recentes de dois jogadores do Guarani, casos do volante Leandro Vilela e lateral-direito Diogo Mateus que, mesmo com bolsa de gelo em regiões lesionadas da perna, invadiram o gramado indevidamente, quando a bola foi parada em lances de falta, para quaisquer dos lados, e aí chutaram copinho d’água.

Assim atingiram em cheio o objetivo de forçar o recebimento do cartão amarelo, por acaso o terceiro, para provocar a suspensão automática, visto que na projeção deles já desfalcariam, de qualquer forma, a sua equipe.TODO MUNDO FAZ…

Os dois exemplos de Guarani se estendem a um ‘mundaréu’ de boleiros aproveitadores, adeptos da tese de ‘bom malandro’, e isso precisa ser coibido com mudança na regra do jogo.

Não tem sentido jogador substituído continuar no gramado. Logo, caberia, sim, a exigência para que se recolham aos respectivos vestiários e, se quiserem acompanhar o transcorrer da partida, que procurem local apropriado em camarotes ou outro qualquer.

Confira também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *